Brasil precisa entender a lógica de comércio da Ásia, afirma Apex

Compartilhe esse artigo

Thais Moretz, especialista em China, afirmou que expandir mercados na atual conjuntura mundial é um grande desafio

O Brasil precisa entender a lógica de pensamento e de comércio dos países asiáticos se quiser expandir sua participação nesse mercado.

Quem afirma é a especialista em China da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), Thais Moretz, que participou hoje (2), em Brasília, do primeiro Diálogo Agrícola Brasil-Argentina.

Segundo ela, expandir mercados na atual conjuntura mundial em que os países, em geral, buscam ampliar suas exportações e atrair investimentos para os próprios territórios é um grande desafio e exige mais do que uma produção de destaque mundial, como a do Brasil no setor agrícola.

Com cerca da metade da população mundial, uma classe média emergente e uma economia em expansão, a Ásia – e mais especificamente a China, Índia e os dez países que compõem a Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean) – reúne mercados em potencial crescimento e com um grande atrativo.

Em julho, a Ásia concentrou 38% das exportações brasileiras. Só a China foi o destino de 25,5% das mercadorias do Brasil. A Europa aparece em segundo lugar, comprando 18,6% dos produtos.

As exportações do Brasil para a China, no entanto, são bastante restritas em termos de diversidade, uma vez que os chineses compram basicamente soja.

Demais produtos tem mais dificuldade ou mesmo são impedidos de entrar. Na análise de Thais, o Brasil é fraco em algo fundamental na China: relacionamento.

“Na China, é fundamental ter networking e relacionamento local. Poucos [brasileiros] mantêm reuniões constantes com os chineses”, ilustrou.

O histórico do relacionamento também conta muito. Os chineses valorizam muito o passado, que está documentado, está registrado.

Já o futuro, é obscuro, não se pode garantir o que vai acontecer. “Ele vai confiar no passado, nas provas que você deu de confiança. Não confiam tanto no futuro ou nas promessas, mas na tradição e no que se está fazendo para chegar lá”, disse Thais.

Má imagem e agrotóxicos

“A imagem do Brasil [no exterior] se deteriorou muito, crescemos nas exportações, mas o volume de ataques que recebemos lá fora é absurdo. Temos que trabalhar isso”, defendeu o consultor da Asia-Brazil Agro Alliance, Marcos Jank, que também participou do evento hoje em Brasília.

Ele ressaltou que a China tem se preocupado cada vez mais com a qualidade dos alimentos e que o Brasil tem ficado de fora de alguns setores.

Um dos pontos polêmicos no setor agrícola é o uso dos agrotóxicos. Produtores defendem os produtos como necessários, uma vez que o Brasil, como um país tropical, concentra também várias pragas que prejudicam a produção e dizem que quando há um controle de qualidade, não é prejudicial à saúde. Alguns produtos usados no Brasil são banidos em determinados países, o que restringe as exportações.

Segundo um estudo sobre o mercado de agrotóxicos no Brasil divulgado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o comércio desses produtos no Brasil cresceu 190% entre 2000 e 2010, mais que o dobro da média mundial, de 93%.

Em março deste ano, relatores do Conselho de Direitos Humanos da ONU defenderam a criação de um tratado global para regulamentar e acabar com o uso de pesticidas na agricultura.

Os especialistas citam pesquisas que mostram que os agrotóxicos causam cerca de 200 mil mortes por envenenamento por ano em todo o mundo.

Para Jank é preciso mudar essa má imagem do Brasil e investir também na qualidade e na boa divulgação dos produtos. Ele diz que também é necessário o país importar mais.

“Para exportar mais, temos que importar mais, o Brasil resiste a importar. Tem que resolver esses problemas e brigar pelo livre comércio. A gente não consegue abrir mercados lá fora por causa de problemas domésticos”, disse.

Fonte: Agência Brasil

Mais artigos

Transporte aéreo: por que contratar um agente de carga?

De forma positiva, o tráfego de carga no transporte aéreo vem crescendo nos últimos anos devido às vantagens que o serviço oferece. No Brasil, segundo um estudo da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), mesmo com a facilidade que o transporte aéreo representa para um país com dimensões continentais, a logística de cargas por avião

Alunos da UFSC debatem logística na prática em visita técnica na Allog

Alunos do Grupo de Estudos Logísticos (Gelog) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) fizeram uma visita técnica às instalações da Allog International Transport, em Itajaí, com o propósito de alinhar o conhecimento acadêmico ao conhecimento profissional. Os estudantes buscaram aperfeiçoar o conteúdo repassado em sala de aula por meio do empenho e participação ativa

Rolar para cima
Previous
Next