Malbec Day: setor comemora crescimento do consumo de vinho no Brasil

Compartilhe esse artigo

Entre as diferentes uvas que compõem o universo do vinho, uma delas ganha destaque e vitrine internacional no mês de abril. O Malbec Day, comemorado em 17 de abril, reverencia o vinho Malbec em quase 100 países ao redor do mundo e ajuda a difundir conhecimento sobre a bebida.

De origem francesa, da região de Cahors, a uva Malbec se deu muito bem no terroir* da Argentina. É hoje a segunda preferida do brasileiro, atrás apenas da Cabernet Sauvignon.

Para marcar o Malbec Day e difundir o conhecimento em torno do vinho Malbec, o Blog da Allog convidou duas profissionais referências na difusão da cultura do vinho para falar sobre o consumo no Brasil: as sommeliéres Laura Wortmann e Giuliana Ferreira.

Laura é formada pela FEHV de Valência, na Espanha, e trabalhou para os três melhores restaurantes de Valência durante os 7 anos que lá viveu. Hoje, atua no departamento de cursos e treinamentos da Mistral Importadora, que importa os melhores vinhos do mundo para o Brasil.

Giuliana Ferreira é formada pela Associação Brasileira de Somméliers e tem um vasto currículo no mundo dos vinhos. Atualmente é a Brand Ambassador da Família Catena Zapata, El Enemigo, Bodegas Ernesto Catena, Bodegas Caro, e Laura Catena com La Posta e Luca e Viña Montes, vinícolas ícones no Chile e na Argentina e que foram as primeiras a acreditarem no potencial do terroir destes dois países.

Laura e Giuliana explicam que a mudança de hábitos gerada pela pandemia – quando as pessoas passaram a ficar mais tempo em casa e a cozinhar para a família e os amigos – acabou incentivando o crescimento no consumo de vinho no lar. “Muitos clientes ousaram provar vinhos diferentes ou investir um pouco mais em nome dessa experiência”, detalha Laura.

Malbec Day

O crescimento deste mercado impactou diretamente também na logística internacional. Segundo Tatiana Piazza, analista comercial corporativo da Allog, o aumento da demanda e a procura de novos clientes pelo serviço da Allog em virtude do sucesso da Campanha da Logística do Vinho colocou a empresa no top 5 dos agentes de carga no segmento de importação de vinhos no país. “Contamos com uma equipe tanto no Brasil, quanto no exterior, com vasto conhecimento sobre o transporte de vinhos. A competitividade de nossos valores e o contato próximo com nossos clientes fez da Allog referência no segmento”, diz Tatiana.

>>> Baixe gratuitamente o e-book: A LOGÍSTICA DO VINHO

Confira entrevista exclusiva para o Blog da Allog na semana do Malbec Day com as sommeliéres Laura Wortmann e Giuliana Ferreira.

BLOG DA ALLOG: Dados da OVI (The International Organisation of Vine and Wine) já apontavam o Brasil como um mercado crescente nos últimos anos. Porém, foi apenas em 2019 que o país ultrapassou a marca de 2 litros/habitante. O que falta para o país aumentar ainda mais o consumo de vinho?

Laura: Este ainda é um mercado muito novo. Noto que o consumidor está cada vez mais curioso para aprender sobre o mundo do vinho. Percebo este consumidor bem mais aberto a provar vinhos diferentes e estilos variados, e isso é maravilhoso porque mostra que só temos a crescer. Lembro que, quando voltei para o Brasil, há 10 anos, o brasileiro só conhecia vinho tinto. Atualmente já existe uma abertura bem maior para brancos, roses e espumantes. O crescimento no consumo se dará de forma natural através do conhecimento e da oferta cada vez mais crescente de vinhos dos mais variados estilos e para os mais diferentes bolsos. Acredito que o consumidor que entra no mundo do vinho pega gosto e não sai mais. Com tanta oferta no mercado é quase impossível não achar um vinho do agrado.

Giuliana: Com a diversificação do público, o consumo de vinhos vem crescendo ano a ano. Isso inclui consumidores mais jovens, de diferentes classes sociais e estilos. Vejo esta transformação de forma bem clara com os vinhos da Catena Zapata, que trazem inovações de suas linhas para cada público e conversa com todos os consumidores da bebida.

BLOG DA ALLOG: Podemos dizer que a necessidade de ficar mais tempo em casa, o fechamento de bares e restaurantes, o investimento em bebidas mais refinadas e a mudança de hábitos fizeram o consumo de vinho aumentar em casa?

Laura: Acredito que as pessoas se permitiram desfrutar desse momento gastronômico – outrora vivido em restaurantes – nas suas casas. Sem a possibilidade de sair ou viajar, muita gente tentou trazer esses momentos de prazer para o lar. Seja cozinhando ou pedindo uma comida mais especial, muitas vezes acompanhando um bom vinho. Notei que muitas pessoas tiveram interesse em aprender sobre vinhos para entender o que estavam bebendo e terem autonomia na hora de comprar. Notei também muito interesse em conhecer sobre harmonização. Esse momento em família trouxe a experiência do vinho para o lar. Muitos clientes ousaram provar vinhos diferentes ou investir um pouco mais em nome dessa experiência.

Giuliana: Notei que nesse isolamento, houve mais tempo com a família. São refeições mais longas e aquele tempo parado no trânsito pôde ser utilizado degustando uma taça de vinho, sozinho ou acompanhado. As pessoas estão recebendo mais informações pela internet sobre o universo do vinho e isso contribui para maior consumo. Essa mudança de hábito fez com que as pessoas não consumissem vinhos somente em restaurantes, mas também em suas casas. E espero que esse novo hábito perdure quando tudo isso passar.

BLOG DA ALLOG: Segundo a Wine Intelligence, entre os vinhos tintos, o Malbec é o segundo preferido entre os brasileiros. Fica atrás apenas do Cabernet Sauvignon. Quais as características dessa uva? E que outras uvas agradam o paladar do brasileiro?

Laura: Tanto a Malbec como a Cabernet são uvas com bastante cor e tanino, responsáveis pela estrutura e corpo do vinho. O tanino causa uma sensação de adstringência no paladar. A Cabernet tem um tanino mais marcado e a Malbec, um tanino mais macio e aveludado. Obviamente que, dependendo da região de cultivo e linhas de vinhos, essas características variam. Noto que o brasileiro gosta de vinhos carnudos e exuberantes por estarem mais acostumados a consumir vinhos do Novo Mundo. Mais do que uvas, eu falaria de estilos. Normalmente este consumidor se identificará também com vinhos de outros países do Novo Mundo. Isso inclui a Austrália, Estados Unidos e África do Sul, ou de europeus estruturados, normalmente de regiões com mais sol, como algumas regiões da Espanha, Portugal e Sul da Itália.

Giuliana: Em geral, o brasileiro gosta de vinhos com mais fruta, redondos e com taninos marcados, porém elegantes. Se apontarmos para os vinhos mais consumidos no Brasil, eles são tintos e as cepas preferidas são Malbec e Cabernet Sauvignon, com características que geram vinhos encorpados ou de corpo médio. A maior parte dos consumidores vai dar preferência ao Novo Mundo, Argentina e Chile. Isso leva a crer que ainda temos uma longa jornada de conhecimento. É isso que encanta os amantes dessa bebida.  Isso inclui descobrir regiões novas, cepas diferentes e muita degustação para achar seu estilo preferido. Não existe o melhor vinho. Existe o que mais gostamos.

Malbec Day

BLOG DA ALLOG: O que faz do Malbec um vinho tão especial e adorado na América Latina?

Laura: A uva Malbec é originária do Cahors e tem como característica coloração intensa e estrutura. Gera vinhos encorpados que eram chamados, inclusive, de “vinho negro”. Eram os preferidos de Leonor de Aquitania. No seu berço, mostra uma faceta mais austera e elegante. Em Mendoza, se adaptou lindamente, mostrando seu lado mais exuberante, com muita fruta e taninos macios e aveludados. Acho que o que o faz o vinho de Mabec ser tão adorado é a versatilidade, agradando desde quem gosta de vinhos potentes até quem está começando neste universo.

Giuliana: Essa uva tão emblemática na Argentina virou uma das preferidas dos brasileiros. Tem cor púrpura, aromas de frutas negras e elegância. A Catena Zapata foi fundada em 1902 pelas mãos de um imigrante italiano, Nicola Catena, que muito contribuiu para a história da uva Malbec em Mendoza. Passaram várias décadas e a Catena hoje possuiu o Istituto Catena para pesquisas dessa uva tão especial. Uma casta que se adaptou muito bem ao terroir argentino e possui características únicas. Isso inclui aromas sedutores e a complexidade que encanta tanto o consumidor da América Latina.

BLOG DA ALLOG: O fato do Brasil ser um país tropical, com temperaturas mais elevadas, faz com que muitos brasileiros prefiram outras bebidas. Como fazer esse consumidor tomar mais vinho?

Laura: Noto uma diferença bem grande no consumidor de uns anos pra cá. Quando voltei para o Brasil, há 10 anos, praticamente só se falava de vinhos tintos, independente da ocasião, clima ou local. Hoje já existe uma abertura bem maior aos brancos, rosés e espumantes. Há estilos maravilhosos para degustar na piscina, praia, com pratos leves que são agradabilíssimos e super adequados ao nosso clima.  A forma de fazer esse consumidor tomar mais vinho é difundindo, mostrando, divulgando, ensinando sobre esses produtos. Hoje temos uma oferta incrível, o que nos permite encontrar o vinho perfeito para o paladar, momento ou estação.

Giuliana: Estou no mundo do vinho há quase 20 anos, e cada dia damos um passo maior no consumo dessa bebida tão especial. Hoje contamos com um público mais jovem consumindo vinhos brancos, espumantes e roses. Estes ganharam um espaço especial, depois de décadas sendo menos consumidos. A Catena Zapata lançou, há menos de um mês, o Catena Rose Malbec, elaborado exclusivamente para ser lançado no Brasil. Isso mostra que o consumo de rosés cresceu e ainda irá crescer nos próximos anos.

BLOG DA ALLOG: A Mistral é conhecida por ter uma das variedades mais completas de vinhos do Brasil. O que faz da importadora essa referência no segmento de vinhos?

Laura: Sem dúvida a seleção de produtores, escolhida a dedo por Ciro Lilla, profundo conhecedor e amante de vinhos. Não é a toa que o slogan da Mistral é a “Importadora dos Melhores Vinhos”. Trabalhamos com os melhores e mais premiados produtores das mais diferentes regiões do mundo. Nomes de peso como Catena, Montes, Gaja, Vega Sicilia, Montille, Drouhin, Grahams, Tondonia. São mais de 300 produtores incríveis compondo nosso portfólio. Além disso, existe um grande cuidado no transporte e armazenamento desses vinhos para que sempre cheguem perfeitos ao consumidor. Temos um cuidado extremo também no nosso atendimento. Nossos colaboradores estão em constante capacitação para oferecer auxilio e informação de qualidade aos nossos clientes.

* Terroir: localidades específicas que produzem vinhos únicos, que só serão obtidos em determinada região devido a convergências de fatores geográficos, climáticos, históricos e culturais concentrados na região.

Malbec Day

Mais artigos

ISF
Blog

ISF – Importer Security Filing: dicas de como exportar aos Estados Unidos

O mercado norte-americano é altamente sofisticado, competitivo e exigente em relação tanto às práticas comerciais, quanto à qualidade dos produtos. Antes que as mercadorias possam ser exportadas em navio aos Estados Unidos, o importador ou seu agente marítimo deve enviar eletronicamente o Importer Security Filing (ISF) ou Arquivo de Segurança do Importador (na tradução literal),

CE Mercante: entenda o Conhecimento de Embarque das cargas

Entre as diferentes obrigatoriedades que envolvem as operações marítimas de Comércio Exterior no Brasil está o lançamento do Conhecimento de Embarque (CE Mercante) para cargas transportadas por navios. Instituído pela Portaria nº 328/ 2001 do antigo Ministério dos Transportes, o CE Mercante é um número gerado pelo Sistema Eletrônico de Controle da Arrecadação do Adicional

Rolar para cima
Previous
Next