Vinhos do leste europeu: cresce importação e mercado para o Brasil

Compartilhe esse artigo

Ofuscados por mercados mais conhecidos de outras regiões do mundo ou desprezados por diferentes motivos geopolíticos e econômicos, vinhos do leste europeu começam a despontar como novidade nas gôndolas de supermercados e casas especializadas e incrementam a pauta de importação da bebida. Para apreciadores que procuram diferentes sabores e uvas, a Europa Oriental é uma das novas fronteiras quando se fala em vinhos.

vinhos do leste europeu

O vinho tem se tornado uma bebida mais acessível ao brasileiro, com informação disponível em sites, plataformas de vendas e mídias sociais, que trazem a oportunidade de se aventurar por novas uvas e sair do óbvio. A busca por novos sabores, experiências e harmonização, bem como a abertura de diversos clubes de vinho, impulsionam a importação da bebida de outros países além de Portugal, Itália, França, Argentina, Chile e Uruguai.

Importação de vinhos do leste europeu

Desde 2021, o Grupo Allog vem contribuindo para a importação de vinhos do leste europeu. Isso inclui países como Ucrânia, Romênia, Líbano, Macedônia, Croácia, República Tcheca e Rússia para o mercado brasileiro. Neste ano, a relação de países com exportação de vinhos para o Brasil fora da rota dos tradicionais inclui também o Marrocos e a África do Sul, do continente africano; Turquia, da Euro-Asia; e Moldávia, do Leste Europeu.

“A representatividade em volume ainda é baixa perante ao total de garrafas importadas. No entanto, é interessante perceber o aumento e diversificação de países.”, avalia Tatiana Piazza, analista de desenvolvimento de mercado do Grupo Allog.

Em busca de novos horizontes

Conforme Tatiana, o Oriente Médio, a África e a Ásia, no entanto, dominam as estatísticas de países exóticos que a companhia movimenta vinhos. “E é curioso observar o anseio destas regiões pelo crescimento das vendas. Vemos, por exemplo, a ação de associações internacionais como a Asian Wines Association, que é uma aliança de produtores asiáticos de vinho que se uniram buscando a democratização e divulgação dos vinhos de produtores indianos, tailandeses, indonésios e japoneses”, diz.

Um fato interessante é a diversificação de uvas plantadas no mercado indiano. Castas como a Chenin Blanc, Cabernet Sauvignon, Shiraz, Nero d’Avola, Sangiovese, Malbec e Zinfandel ganham espaço a cada dia.

Foco no mercado de vinhos

A Allog conta com uma equipe especializada na importação de vinhos visando fornecer maior segurança, competitividade e know how para auxiliar o mercado na consolidação de pedidos de diversas regiões do mundo. Muitas vezes, os importadores não possuem grandes quantidades para trazer de países como Eslovênia, Hungria, República Tcheca.

“Sendo assim, estudamos a melhor logística para consolidar com pedidos que os importadores possam ter de outros países em que há maior demanda, como França e Itália, e consolidamos em nosso armazém na origem vinhos de diversos países, otimizando espaço, custo e tempo”, explica Tatiana.

>>> Quer saber mais sobre ao tema? Baixe gratuitamente o e-book A LOGÍSTICA DO VINHO

Em relação ao mercado do vinho na totalidade, 2020 e 2021 foram anos históricos em que houve um aumento expressivo do consumo e importação de vinhos no Brasil. Esse aumento, segundo a profissional do Grupo Allog, muito se deu por conta do lockdown e a situação pandêmica em que as pessoas evitaram sair para tomar um vinho e criaram o hábito de consumi-los em suas casas.

Para a especialista, este hábito veio para ficar, porém, com a queda nos números relacionado à pandemia e a abertura dos bares e restaurantes em todas as regiões do país, as pessoas voltaram a sair, impactando diretamente nos números de encomendas de vinhos para consumo em casa. “Ao mesmo tempo, estes dois anos trouxe à população a vontade de descobrir novos sabores, aromas e se aventurar mais no mundo do vinho, buscando por vinhos de regiões e países menos comuns, como Ucrânia, Romênia, Líbano, Macedônia, Georgia, Rússia”, conclui.

vinhos do leste europeu

Mais artigos

Geral

Exportação de óleo de amendoim: guerra gera reflexos no mercado

A guerra no Leste Europeu já está refletindo na exportação do óleo de amendoim no Brasil. Nos primeiros meses do ano, os preços do óleo bruto de amendoim aumentaram em torno de US$ 100 a US$ 200 por tonelada. O apetite da China aumentou, ao mesmo tempo que se prevê a redução de áreas dedicadas

Blog

Blogueiro vira referência em assuntos do Comércio Exterior

A simples menção do nome de Jonas Vieira, autor do blog “Reflexões bem humoradas sobre Comex”, desperta curiosidade dos habitués do Linkedin, rede social focada em relacionamento corporativo e de negócios. Em menos de um ano, Jonas se tornou um nome conhecido na rede social, com excelente desenvoltura para falar de Comércio Exterior de forma

Rolar para cima
Previous slide
Next slide