Com vocês, a estrela das Copas: a bola!

Compartilhe esse artigo

A Copa do Mundo não é só conhecida pelos países campeões e por reunir multidões em estádios. Quando as principais seleções do mundo entram em campo, a bola ganha papel de destaque. A principal estrela dos jogos ganhou evolução e grandes mudanças a partir de 1970, quando passou a ser patrocinada. Confira a evolução.

 

A capotão

Em 1930, no primeiro Mundial, a bola foi apelidada de “capotão”. A capotão era pesada e fechada com cordas que ficavam à mostra. Por falta de acordo entre Uruguai e Argentina na partida final, no primeiro tempo foi usada uma bola argentina e no segundo, uma uruguaia.

 

A Federale 102

Em 1934, na Itália, foi usada a Federale 102. A bola italiana era de couro e tinha 12 gomos. Na final, o jogador italiano Orsi marcou o gol e fez um efeito com a pelota que ficou, para sempre, na memória do público. No dia seguinte, ele até tentou, mas não conseguiu repetir o feito. Especialistas afirmam que a redonda poderia ter ficado torta durante a partida.

 

A Allen

Conhecida como Allen, a bola utilizada em 1938 na Copa da França era muito semelhante a italiana com os mesmos 12 gomos. Sua cor, porém, era mais escura que suas antecessoras porque teriam sido produzidas couro marrom originado de fornecedores locais.

 

 

A Super Duplo-T

Em 1950, no Brasil, entrou em campo a Super Duplo–T, de fabricação brasileira. Também possuía 12 gomos, mas tinha como diferencial uma câmara inflada como as bolas modernas, com válvula para enchimento. Assim, a costura externa não era mais necessária. Mesmo assim, como era feita de couro, seu peso praticamente dobrava quando era molhada.

 

A Swiss WC Match Ball

A Swiss WC Match Ball usada na Copa do Mundo de 1954 tinha 18 gomos e a cor alaranjada. Foi a primeira a ser fabricada com as dimensões padronizadas pela FIFA. Neste mundial, a média de gols por jogo foi de 5,38, sendo, até hoje, a maior da história das Copas.

 

 

A Top Star

Produzida na Suécia, sede da Copa do Mundo de 1958, a Top Star tinha 24 gomos e uma costura em zigue-zague, o que diminuía a tensão na bola. O modelo foi escolhido oficialmente pela FIFA após um teste com quase 100 modelos em uma quadra de Estocolmo.

 

 

 

A Mr. Crack

A primeira bola desenvolvida por um patrocinador entrou em campo em 1962: a Mr. Crack. Ela foi alvo de muitas críticas e, em alguns jogos, outras bolas de marca diferentes europeias foram utilizadas. Isso porque o couro absorvia a água e a bola ficava encharcada e pesada. Além disso, o sol fazia com que a bola perdesse a cor.

 

A Challenger

Fabricada por uma marca inglesa, a Challenger, de 1966, possuía 24 gomos e foi a última com cor de couro

 

 

 

 

A Telstar

A bola com que o Brasil conquistou o tri-campeonato mundial no México, em 1970, foi a Telstar, a primeira bola preta e branca usada em uma Copa. Ela contava com 32 gomos, divididos em hexágonos brancos e pentágonos pretos, melhorando sua visibilidade na TV. A Telstar Durlst voltou a ser usada em 1974. Durante a competição, porém, foram lançadas outros tipos de bola, como a alaranjada, para melhorar a visibilidade em jogos na neve.

 

 

A Tango

Em 1978, na Argentina, entrou em campo a bola Tango. A diferença para o modelo anterior eram os tríades pretos, que formavam 12 círculos na bola. Igual a bola argentina, a Tango Espanhola, de 1982, se diferenciava da anterior por ser resistente à água e foi a última bola de couro usada na competição.

 

 

A Azteca

Em 1986, entrou em campo a Azteca, a primeira desenvolvida com produtos sintéticos e que minimizava a absorção de água. Os desenhos remetiam à cultura asteca, povo que viveu no México, país sede da Copa naquele ano.

 

 

 

A Utrusco

Utrusco era o nome da bola usada na Copa do Mundo da Itália, em 1990. Ela também lembrava a história antiga do país sede. São três leões decorando os 20 triângulos típicos da Tango. Ela foi a primeira totalmente impermeabilizada, por conta de uma capa de espuma de poliuretano que a envolvia.

 

 

 

A Questra

Produzida com materiais inovadores, a Questra, de 1994, ganhava mais velocidade com o chute, favorecendo os atacantes e prejudicando os goleiros.

 

 

 

 

 

A Tricolore

Em 1998, a Tricolore ganhou novas cores com tríadas pintadas de azul, branco e vermelho. A bola apresentou a tecnologia de um tipo de espuma sintética que distribuía a energia igualmente em toda a bola.

 

 

 

 

A Fevernova

A bola da Copa do Mundo de 2002, batizada de Fevernova, foi produto de três anos de aperfeiçoamento do modelo anterior. Revestida por seis camadas de diferentes materiais, ela possuía triângulos e tinha a cor dourada.

 

 

 

 

A Teamgeist

Em 2006 foi usada a Teamgeist, cujo nome significava “espírito de equipe”. Bem leve e impermeável, teve uma versão especial para a final, entre França e Itália. Além disso, em cada partida, nela constava o nome das duas equipes, o local e a data do confronto.

 

 

A Jabulani

Uma das bolas mais polêmicas das Copas do Mundo, a Jabulani, de 2010, contava com 11 cores, representando os diferentes dialetos e etnias de seu país sede: a África do Sul. A bola foi criticada por vários atletas, principalmente pelos goleiros, que diziam que ela tomava trajetória diferente do esperado.

 

 

A Brazuca

Utilizada na Copa do Brasil, em 2014, a Brazuca foi a primeira bola da história a ter apenas seis gomos, o que garante o formato mais uniforme. As cores e o design dos seis painéis foram inspirados nas fitinhas do Senhor do Bonfim, da Bahia, e simbolizavam a paixão e a alegria associadas ao futebol no Brasil.

 

 

E vem aí… A Telstar 18

Na Copa do Mundo da Rússia, será utilizada a Telstar 18. O modelo foi inspirado na bola de mesmo nome utilizada no Mundial de 1970, quando a seleção brasileira conquistou o tri. A Telstar 18 é uma repaginação do modelo clássico com 32 gomos pretos e brancos.

 

 

 

 

VEJA TAMBÉM:

 

Baixe seu E-Book gratuito Dicionário do COMEX – versão 2018

http://conteudo.allog.com.br/e-book-dicionario-do-comex

#AllogBrasil

 

Mais artigos

Reportagem na Allog Itajaí
Dia Mundial da Bicicleta!

A Allog apoia o uso da bicicleta entre os seus colaboradores. A bicicleta é mais saudável, não polui, gera bem-estar e te coloca em contato com as pessoas e a cidade onde vivem. Pedalar é tudo de bom. JORNAL DO MEIO DIA ITAJAÍ/SC – RIC Record TV 19/04/2017

O que é IMO 2020 e o que muda com as regras de emissão de enxofre

Você sabe o que é IMO 2020 e o que muda com as novas regras de emissão de enxofre nos navios? A regra global que reduzirá significativamente as emissões nocivas de óxidos de enxofre por parte da frota mercante mundial entrou em vigor no dia 1º de janeiro de 2020. Conhecida como IMO 2020, a

Rolar para cima
Previous
Next