Crescimento das exportações favorece abertura de novos mercados

Compartilhe esse artigo

O crescimento das exportações brasileiras está gerando efeitos imediatos no Comércio Exterior. O governo federal estima que a balança comercial brasileira registre, em 2020, um superávit de US$ 55,4 bilhões, apesar dos impactos da pandemia da Covid-19 na economia global. De janeiro a julho, por exemplo, o saldo comercial acumulado foi positivo em US$ 30,383 bilhões. O aumento é de 8,2% sobre o mesmo período de 2019.

De acordo com Tatiane Andreola, gerente de operações da Allog, o crescimento das exportações abre novos desafios e excelentes oportunidades para quem trabalha com o mercado externo. A tendência é que o segmento exportador continue em alta ao longo dos próximos meses impulsionado, principalmente, pela continuidade na valorização cambial. Também deve influenciar positivamente o início de algumas safras que representam grande volume na exportação brasileira. No país, as exportações que mais se destacaram no primeiro semestre foram a de soja, carne de frango, suínos, papel, açúcar, café, arroz e madeira. Na Allog, os setores que tiveram melhor desempenho nos seis primeiros meses de 2020 foram madeira, móveis, celulose, commodities, alimentos e bebidas.

CONFIRA TAMBÉM: Produtos made in Brazil diversificam a pauta de exportação

Tatiane destaca que, com a elevada demanda das exportações, muitos clientes necessitaram abrir alternativas de trabalho para escoar suas produções. Segundo ela, o know how de mercado, aliado ao bom relacionamento com os prestadores de serviços, coloca a Allog numa posição estratégica para a viabilização de oportunidades ao escoamento do excedente produtivo.

crescimento das exportações

Um novo momento

Como o crescimento das exportações veio atrelado a uma forte queda nas importações, a empresa precisou adequar e redistribuir pessoas em áreas estratégicas. Foi o momento de eliminar posições momentaneamente ociosas para que ocupassem funções onde havia necessidade de mão de obra. “Fortalecemos nosso departamento de exportação para manter o atendimento de excelência e absorver toda a demanda extra de volume que vem sendo gerada pelo mercado”, destaca.

Para Tatiane, o crescimento das exportações será fundamental para a continuidade das atividades industriais e geração de emprego e renda. “Estudos do Ministério da Economia apontam que as exportações brasileiras praticamente não foram afetadas pela crise mundial. A alta nas vendas irá contribuir para reduzir os efeitos da pandemia na economia nacional”, aponta.

VEJA AINDA: Exportação de ponta a ponta – Como funciona a venda para outros países

Novos mercados

O atual momento é favorável para o país buscar mercado também para outros produtos no exterior, além daqueles que já fazem parte da pauta de exportação. “Muitas empresas viraram suas produções para o mercado externo em virtude da baixa no mercado interno. Nossa indústria tem a expertise necessária para atender diferentes mercados consumidores”, acrescenta.

Na posição de agente de cargas especializado no transporte marítimo, aéreo, rodoviário e de carga projeto – além de contar com um departamento exclusivo de assessoria aduaneira – a Allog pode compartilhar o conhecimento necessário para tornar a experiência de negócios com outras culturas e mercados o mais produtivo e eficiente possível.

Quer saber mais sobre as soluções de exportação da Allog?

Mais artigos

Riserva Brunello di Montalcino é ainda melhor!

Pode parecer impossível, mas há um vinho Brunello ainda melhor do que ele próprio. O Riserva Brunello di Montalcino é produzido exclusivamente nas melhores safras e lançado seis anos após a colheita, em vez de cinco anos, como é o caso de Brunello di Montalcino normale. Os vinhos Riserva representam as melhores seleções do produtor.

Importação de produtos eletrônicos tem índice positivo na Allog

O aumento da importação de produtos eletrônicos no modal marítimo processadas pela Allog atingiu 6,1% em 2018. O índice se equivale ao crescimento médio das importações nacionais do ano passado, que ficaram em 7%. O dado é do relatório estatístico da Associação Brasileira da Indústria Eletro Eletrônica (Abnee). A maior parte dos produtos eletrônicos movimentados

Rolar para cima
Previous
Next