Portonave: o primeiro terminal privado de contêineres do Brasil

Compartilhe esse artigo

Terminal de uso privado em Navegantes (SC), a Portonave é uma das mais eficientes instalações na movimentação de contêineres. A companhia levou 10 anos com a aquisição dos terrenos, licenciamentos e realização de estudos da área para as obras.

A autorização do Ministério dos Transportes para o funcionamento do primeiro terminal privado de contêineres do Brasil veio em 2001. Depois de desafios inerentes ao pioneirismo do empreendimento – do projeto saindo da estaca zero, passando por marcos regulatórios incertos para portos privados – o porto iniciou as atividades em 21 de outubro de 2007, quando atracou o primeiro navio, o MSC Uruguay.

Portonave

Estrutura

A infraestrutura da Portonave permite receber grandes navios em três berços de atracação. Conta com cais tem 900 metros, bacia de evolução de 400 metros e canal de 14 metros de profundidade. Sua infraestrutura inclui ainda 10 gates com balanças, 2.130 tomadas reefers, área total de 400 mil metros quadrados; capacidade estática de 30 mil TEUs; 1,8km de avenida portuária; câmara frigorífica automatizada e integrada às operações com 16.000 posições pallets, 6 transelevadores/13 docas e pallets identificados por códigos de barra.

História

Primeiro porto privado do Brasil, a Portonave movimentou seu primeiro contêiner em outubro de 2007. Isso aconteceu apenas dois anos após o início da construção do terminal. Em 2005,  além de um pátio de obras, a Portonave tinha uma pequena equipe administrativa que trabalhava no escritório em cima da padaria Santa Catarina, no centro de Navegantes. Hoje, opera com os principais armadores do mercado. Também detém o recorde sul-americano de produtividade de navios e se posicionou como líder de mercado em SC.

Certificações

Entre os marcos históricos está  a conquista das certificações. Em 2008 veio a primeira, no ISPS Code – norma internacional criada depois do atentado às Torres Gêmeas. Ela garante que as medidas de segurança são rigorosas e cumpridas à risca. A segunda certificação veio em 2009 com o ISO 9001, norma técnica que assegura a qualidade dos serviços prestados. Em 2010, foi certificada no ISO 14.001, que se refere à qualidade da gestão ambiental.

Em março de 2016, a Receita Federal do Brasil concedeu à Portonave a certificação de Operador Econômico Autorizado (OEA). O terminal portuário foi o primeiro do país a atender as exigências do programa mundial do Comitê da Organização Mundial das Aduanas (OMA) e obter o título. O principal objetivo do é colocar o Brasil em condição de país exportador seguro, aperfeiçoando a cadeia logística brasileira.

A certificação mais recente chegou em outubro de 2018. No mês em que a Portonave celebrou seu 11º ano de operação, a empresa conquistou a certificação na norma OHSAS 18001, que se refere à gestão da saúde e da segurança dos profissionais e pessoas que circulam no terminal. As certificações são renovadas periodicamente, com  auditorias que avaliam se a empresa continua cumprindo à risca as normas necessárias.

Instituto

Ao longo dos últimos 11 anos, a Portonave se consolidou como uma empresa forte em reputação e credibilidade na região. Desta integração, nasceu em 2015 o Instituto Portonave de Responsabilidade Social. Trata-se de uma instituição sem fins lucrativos e com a missão de desenvolver e apoiar projetos de impacto social e ambiental na região, com prioridade para o município de Navegantes.

Um dos projetos socioambientais de maior impacto foi o Nossa Praia, concluído em 2016. Trata-se de uma das maiores obras de recuperação de praia do Brasil, abrangendo 102 hectares da praia central de Navegantes. A iniciativa foi voltada à recuperação da restinga, incluindo a retirada de vegetação exótica, o plantio de espécies nativas, a reconstrução de dunas e o fechamento de trilhas irregulares. Os investimentos foram compartilhados entre a Portonave, que aplicou R$ 3,8 milhões no projeto, e a Prefeitura de Navegantes. Esta ficou responsável por obras complementares e a construção de uma ciclovia, além da iluminação pública.

Perfil do porto

Infraestrutura

900 metros de cais

– 3 berços de atracação

– Canal de acesso de 14m

– 10 gates com balanças

– 2130 tomadas Reefer

– Área total de 400 mil metros quadrados

– Capacidade estática de 30 mil TEUs

– 1,8km  de avenida portuária

– Câmara frigorífica automatizada integrada às operações com 16.000 posições pallets

– 6 transelevadores/13 docas

– pallets identificados por códigos de barra e habilitações na lista geral de países, Mercosul, Rússia, União Europeia, Chile e China (em andamento)

Equipamentos

– 6 Post Panamax Portainer

– 40 terminal tractors

– 4 empty container handlers

– 18 rubber tyred gantry cranes eletrificados (E-RTG)

– 5 reach stackers

– 2 scanners

Localização

Navegantes (SC), na chamada Ponta da Divineia, integrando o Complexo Portuário do Rio Itajaí-Açu.

Relação com Itajaí

Integrada, compartilhando canal de acesso e infraestrutura de manobras. Toda a cadeia logística da região é potencializada com a concentração de forças no Complexo Portuário do Rio Itajaí-Açu.

Ranking Antaq

2018 – (Janeiro à Novembro) – Movimentação total TEUS – (Cheios, Vazios e Transbordo)

 

Portonave

 

Ranking Datamar

2018 – (Janeiro à Novembro)

Movimentação total – (Importação e Exportação)

 

Portos Brasileiros2018 – TEUS% Market Share
1Santos1.798.26543,90%
2Paranaguá459.34311,21%
3Navegantes447.63610,93%
4Itapoá300.1777,33%
5Rio Grande248.3856,06%
6Rio de Janeiro182.7134,46%
7Itajaí143.8663,51%
8Manaus109.3042,67%
9Salvador104.9932,56%
10Porto de Itaguaí96.4672,35%
11Suape72.5361,77%
12Vila do Conde45.0161,10%
13Natal21.5040,52%
14Fortaleza18.7920,46%
15Imbituba18.3680,45%
16Pecem15.4050,38%
17Vitória13.9310,34%
18Belém00,00%
Total4.096.701100,00%

 

Participação de mercado

– 49% segundo Datamar 2018 (Janeiro à Novembro), com importação e exportação

 

Principais destinos

TOP 5 DESTINO DAS EXPORTAÇÕES:

(DATAMAR – 2018  – Janeiro à Novembro)

1º EUA 22%

2º México 11%

3º China 9%

4º Japão 4%

5º Arábia Saudita 4%

 

Principais origens

TOP 5 ORIGENS DAS IMPORTAÇÕES:

(DATAMAR – 2018 – Janeiro à Novembro)

1º China 47%

2º EUA 10%

3º Índia 5%

4º Alemanha 3%

5º Colômbia 3%

 

Principais mercados atendidos (mercadorias ) – IMPO e EXPO   

DATAMAR – 2018 – (Janeiro à Novembro) – Exportadas e Importadas

ExportaçãoTEUS%
Madeiras e seus derivados63.51644,90%
Carnes congeladas e seus derivados40.54328,66%
Cerâmica7.1145,03%
Maquinário6.3194,47%
Papel6.3154,46%
Metais Comuns2.9432,08%
Tabaco2.5611,81%
Frutas1.3180,93%
Alimentos1.1880,84%
Grãos1.1250,80%
Outros8.5036,01%
Total141.445100% 

 

 

 

ImportaçãoTEUS%
Têxtil20.56415,99%
Plásticos e derivados19.90115,48%
Químicos14.55311,32%
Maquinário10.3148,02%
Metais Comuns7.0545,49%
Borrachas e derivados5.6354,38%
Cerâmica4.0733,17%
Madeiras e seus derivados3.4962,72%
Alimentos2.5091,95%
Minerais2.4471,90%
Outros38.03729,58%
Total128.582100%


Tamanho de navios que atracam no Porto


Portonave

 

Canal de acesso e bacia de evolução

O acesso das embarcações é feito pelo Canal da Barra, localizado entre os municípios de Navegantes e Itajaí. O canal conecta o Rio Itajaí-Açu ao Atlântico, no litoral norte de Santa Catarina. Para se manter competitiva juntamente com demais terminais que integram o Complexo Portuário do Rio Itajaí-Açu, a Portonave aguarda a conclusão da obra da Bacia de Evolução.

Na sua primeira fase, a obra permitirá a atracação de navios com até 336 metros de comprimento. Na segunda etapa, com até 366 metros. Navios deste porte (336m) já são uma realidade na costa brasileira e a tendência global do comércio exterior é que tais embarcações sejam cada vez maiores.

Armadores parceiros

MSC, Hapag-Lloyd, Cosco Shipping, Evergreen, CMA CGM, Pil, Hamburg Sud, ONE, Maersk, Yang Ming, ZIM.

Aspectos socioeconômicos

O Porto representa 5,3% da receita total de Navegantes. No caso da arrecadação em Imposto Sobre Serviços (ISS), quase metade da receita da prefeitura resulta do terminal portuário. Em 2018, foram R$ 12,5 milhões repassados pela Portonave de R$ 27,4 mi arrecadados, segundo o Portal da Transparência.

Em 10 anos de operações da empresa, o PIB de Navegantes aumentou 5,5 vezes. Chegou ao patamar de R$ 3,27 bilhões em 2015 (dado mais recente do IBGE). O número de empregos formais mais do que dobrou. Em 2007, ano em que a Portonave começou a operar, eram 1313 empresas e unidades locais ativas em Navegantes. Hoje este número está em 7.230, segundo o Econodata.

Além do trabalho do Instituto Portonave junto à comunidade, a empresa ainda realiza aportes com origem em incentivos fiscais, sempre priorizando aplicar os recursos em projetos locais. Isso assegura que as riquezas geradas pelas atividades do terminal beneficiem, principalmente, a população de Navegantes e região. Em 2018, a terminal investiu R$ 2,95 milhões nesses projetos, seja por aporte direto ou via leis de incentivo.

Mais artigos

Exportação de mel brasileiro ajuda a aumentar a rentabilidade do setor

A exportação de mel produzido no Brasil vem conquistando os mercados mais exigentes da Europa e dos Estados Unidos. Alta qualidade, valor agregado e diversidade de sabores são os apelos que levam o produto brasileiro a conquistar estes mercados. O mel produzido em Santa Catarina, por exemplo, recebeu o título de melhor mel do mundo

Hub Ports: conheça os 10 maiores concentradores de carga do mundo

Fabricantes, fornecedores e compradores confiam nos serviços de transporte de contêineres para importar e exportar seus fretes. Com mais de 34 milhões de contêineres disponíveis no mundo, não é surpresa que os portos e, principalmente, os hub ports ocupem cada vez mais importância no serviço de transporte de mercadorias por meio de navios com alta capacidade,

Rolar para cima
Previous
Next