Rússia: o país da Copa de 2018

Compartilhe esse artigo

Que tal passar uma semana em um trem que percorre mais de 9.000 quilômetros, 8 fusos horários diferentes, para em 87 cidades e atravessa dois continentes. Ficou curioso? A viagem é uma das muitas atrações turísticas da Rússia, Se antes você não tinha motivo algum para conhecer e visitar o país, com a Copa do Mundo de 2018 você terá motivos mais do que suficientes: torcer para o Brasil, ver a canarinho se recuperar do fiasco da competição de 2014 e, de sobra, explorar ainda mais o país.

Com 17.075.400 quilômetros quadrados, a Rússia é o país com maior área do planeta, cobrindo mais de um nono da área terrestre. A capital russa tem alguns dos pontos turísticos mais conhecidos do Leste Europeu, como a Praça Vermelha, famosa pelos desfiles militares nos tempos de União Soviética, que fica à frente do Kremlin – espécie de fortaleza (significado da palavra) que existe em muitas cidades do país. Na mesma região, está a Catedral de São Basílio, uma das imagens que é referência da Rússia mundo afora.

Rússia: o país da Copa de 2018

Mobilidade

Principalmente por Moscou e São Petersburgo é muito fácil de se locomover. Há bondes, diversas estações de metrô e ônibus para praticamente todos os lugares. Além disto, diversas pessoas usam seus carros pessoais como táxi e com uma tarifa mais em conta. Por ser em sua maioria de religião ortodoxa, a Rússia é um berço de catedrais bem diferentes das quais nós estamos acostumados. Os palácios construídos para os czares são simplesmente de tirar o fôlego. O da Catarina, a Grande – que fica perto de São Petersburgo – é um exemplo disto.

Arte

Se você é fã de arte, encontrará na Rússia diversos expoentes das artes plásticas e museus tão bons quanto os da Europa Ocidental. Exemplo disto é o museu Hermitage, em São Petersburgo, que antigamente abrigou os czares em seus três andares. Atualmente, é um dos maiores museus do mundo. E que tal assistir ao balé Bolshoi na Rússia? Esqueça Joinville e se joga para lá.

Frio

A Sibéria cobre 40% do território russo e é mundialmente famosa por seus invernos e temperaturas congelantes. A Sibéria corresponde também a quase 10% da superfície terrestre da Terra, fazendo fronteira com a Mongólia ao sul, e margeando o Oceano Ártico ao norte. No local, é possível caminhar 3.000 km sem ver uma viva alma.

De tão puras, é possível observar até 40 metros de profundidades nas águas do Lago Baikal, mesmo no inverno (porque o gelo também é cristalino). O Baikal é tão grande que sua área de superfície equivale ao território da Bélgica, e levaria em torno de quatro meses para dar uma volta completa caminhando. Também é lar de mais de 300 espécies endêmicas de animais e pássaros.

 

Relação com o Comex

A Rússia é a 16º maior economia de exportação no mundo. Em 2016, o país exportou US$ 282 bilhões e importou US$ 180 bilhões. As exportações principais da Rússia são Crude Petroleum (US$73,7 bilhões), Indeterminado (US$45,3 bilhões), Petrolíferos Refinados (US$45,1 bilhões), Briquetes de Carvão (US$8,51 bilhões) e Raw Alumínio ($4,89 Bilhões). Seus principais importações são medicamentos embalados, carros e peças de veículos.

A Rússia faz fronteira com o Azerbaijão, a China, a Georgia, o Cazaquistão, a Mongólia, a Coreia do Norte, a Belarus, a Estônia, a Finlândia, a Lituânia, a Látvia, a Noruega, a Polônia e a Ucrânia por terra e o Japão e o Estados Unidos por mar.

VEJA TAMBÉM:

Baixe seu E-Book gratuito Dicionário do COMEX – versão 2018 – AQUI 

 

http://allog.com.br/blog/suica-e-brasil-o-que-eles-tem-em-comum/

http://allog.com.br/blog/o-pais-dos-vulcoes-no-caminho-do-brasil/

Rússia: o país da Copa de 2018

Mais artigos

Geral

Semana Cultural Allog traz debate sobre o Comex ao ambiente corporativo

Meio ambiente, governança corporativa, importação de matéria-prima para medicamentos e produtos acabados, biodiesel e derivados, mercado interno e externo. Esses são alguns dos temas abordados durante a 6ª Semana Cultural Allog, de 16 a 19 de agosto, e que neste ano volta a ser realizada de forma presencial.   Realizada desde 2016, a Semana Cultural

Textos

Drones diversificam a pauta de importação brasileira

Um novo item tem ganhando destaque na pauta de importação brasileira: os veículos aéreos não tripulados (Vants) ou simplesmente drones. Em 2016, o mercado nacional de drones começou o ano com uma estimativa de faturamento potencial de R$ 200 milhões ao longo de 12 meses, conforme avaliação do fórum DroneShow. Apesar de ficar um pouco

Rolar para cima
Previous slide
Next slide