Tempestades nos EUA: como o clima afeta a logística internacional?

Compartilhe esse artigo

Você já parou para pensar como as tempestades nos EUA e as condições climáticas extremas podem afetar a logística em diferentes regiões do mundo?

Quando inesperado, o frio pode afetar não apenas a oferta e a demanda, mas todo o processo de transporte. Uma das principais maneiras pelas quais as temperaturas impactam a logística é por meio dos danos que podem causar à infraestrutura.

Tempestades nos EUA

Chuvas intensas podem causar o desgaste de estradas, enquanto ventos fortes podem derrubar linhas de energia e árvores, bloqueando estradas e causando falta de luz elétrica. Da mesma forma, temperaturas extremas podem fazer com que estradas e pontes se expandam e contraiam, causando rachaduras e outros danos estruturais.

>>> CONFIRA TAMBÉM: Limites de peso nas rodovias americanas: 4 perguntas sobre o assunto.

Paulo Henrique Perez, analista de Produto de Exportação do Grupo Allog, explica que, além desses impactos físicos, eventos climáticos também podem levar a interrupções na cadeia de suprimentos, à medida que as empresas se veem desafiadas a mover mercadorias e materiais por áreas afetadas.

Tempestades  nos EUA: Impacto na logística 

Quando inicia a temporada de tempestades nos EUA, por exemplo, o impacto no transporte é global. Isso porque provoca grandes congestionamentos nos portos americanos e prejudica o escoamento de mercadorias tanto de cargas de importação como de exportação.

Da mesma forma, impactos adversos no tempo de trânsito, confiabilidade e eficiência da entrega podem afetar o custo de todas as mercadorias transportadas por esses sistemas. De acordo com a AccuWeather e o Departamento de Transporte dos Estados Unidos, foi constatado que:

  • O clima é responsável por quase 25% de todos os atrasos de caminhões.
  • O clima custa à indústria de transporte de cargas até US$ 3,5 bilhões por ano.
  • Neve e gelo são responsáveis por mais de 50% de todos os atrasos relacionados ao clima.
  • O custo de atrasos em situações severas, como furacões ou nevascas, devido à perda de capacidade pode ultrapassar US$ 100 milhões por dia.

“O clima rigoroso afeta muito mais a logística do que a capacidade de uma empresa de transporte de entregar mercadorias, por exemplo, além de representar riscos à segurança do próprio motorista”, cita o profissional da Allog.

O que fazer quando o clima afeta a logística internacional?

Para mitigar o impacto do clima no transporte e na logística, as empresas podem empregar diferentes estratégias. As companhias aéreas podem ajustar os horários de voos para evitar áreas que provavelmente serão afetadas por condições climáticas severas. Já empresas de transporte marítimo podem alterar as rotas das embarcações para evitar tempestades e mares agitados. Para a indústria de transporte rodoviário, monitorar previsões do tempo e receber alertas para eventos climáticos não é suficiente. Com base nos dados, também é fundamental fazer escolhas que evitem um impacto grande na operação logística.

>>> BAIXE nosso e-book sobre PEAK SEASON aqui.

A inteligência climática fornece informações que possibilitam tomar decisões mais precisas. Uma parte essencial da inteligência climática para o transporte rodoviário é um sistema de pontuação de riscos nas estradas. Informações em tempo real sobre o risco nas estradas explicam como caminhões e outros veículos reagem a determinadas condições.

Melhor estratégia

Como especialista, o agente de carga também tem o dever de buscar a melhor solução para o seu cliente. Quando isso ocorre, é fundamental buscar uma negociação com o armador ou o terminal portuário em questão, buscando reduzir custos finais.

O Grupo Allog é um Freight Forwarder (FFW) especializado no mercado americano e, como tal, consegue fazer análises bem fundamentadas com as informações que recebe dos parceiros internacionais sobre as condições climáticas e operacionais em diferentes regiões do mundo. “Ter esta proximidade com o mercado é fundamental. Desta forma, clientes e parceiros se sentem confiantes em deixar a Allog cuidar dos seus embarques”, finaliza Paulo Perez.

Quer saber mais sobre a logística internacional e as relações comerciais com os Estados Unidos?

Tempestades nos EUA

Mais artigos

Dora Silva
Geral

Dora Silva: uma história de empreendedorismo no Comex

As oportunidades e surpresas que surgiram em meu caminho profissional acabaram me levando a um universo que, inicialmente, eu nunca tinha prestado atenção: o Comércio Exterior. Formada em Administração e pós-graduada em Gestão Empresarial, sou Dora Silva, sócia fundadora e diretora da Comex Service. Antes de fundar meu próprio negócio, no entanto, o caminho foi

Blog

As 3 cidades onde o Brasil vai jogar na primeira fase da Copa de 2018

O Brasil vai passar por três cidades diferentes da Rússia para disputar as partidas da primeira fase da Copa do Mundo de 2018. A seleção enfrentará seus adversários nos dias 17, 22 e 27 de junho, em estádios feitos exclusivamente para a maior competição do futebol do planeta. Se optar por ir e voltar para

Rolar para cima
Previous slide
Next slide