Ataques no Mar Vermelho: os impactos na logística global

Compartilhe esse artigo

Os ataques no Mar Vermelho vêm causando uma série de distúrbios significativos no comércio internacional. A rota marítima que conecta a Ásia à Europa enfrenta desafios que impactam a economia global de diversas maneiras. O aumento do tempo e custo do transporte, a escassez de contêineres e o congestionamento nos portos são alguns dos principais impactos.

A busca por soluções e a adaptação às novas rotas são essenciais para minimizar os efeitos negativos na economia global. Felipe Pimpão Giocondo, analisa de importação de produtos do Grupo Allog, lembra que é importante entender geograficamente onde fica situado o Mar Vermelho no mapa global.

Localizado no sul do Iêmen, o Mar Vermelho é a principal porta de entrada para os navios provenientes da Ásia até o Canal de Suez e, consequentemente, a principal porta de saída dos navios oriundos da Europa com destino à Ásia. Estima-se que 15% do comércio global passe pelo Mar Vermelho todos os anos.

Ataques no Mar Vermelho

Ataques no Mar Vermelho: por onde desviar?

A solução para evitar esse caminho tem sido desviar as rotas que utilizam o Canal de Suez para o Sul da África, passando pelo Cabo da Boa Esperança. Esse desvio, no entanto, acarreta em um aumento de 6.500 quilômetros, cerca de 12 dias a mais que o usual. “Com isso, os impactos logísticos acontecem tanto nas exportações quanto nas importações que dependem deste desvio”, cita o profissional do Grupo Allog.

Déficit de contêineres vazios

Outro fator importante a destacar é a disponibilidade de contêineres vazios em toda a cadeia global.  Com a mudança na rota e o aumento no trânsito dos navios, a reposição dos contêineres vazios nos portos do mundo vem acontecendo mais devagar.

>>> Leia também – Canal do Panamá: importância para o comércio global

Por exemplo, pelo Canal de Suez, um navio saindo de Taiwan demora, em média, 26 dias até Rotterdam. Já se contornar o Cabo da Boa Esperança, são 38 dias. “Temos 12 dias de GAP entre o que a cadeia está habituada. Isso está diminuindo as entradas de novos contêineres nos portos gerando um déficit destes equipamentos. Em resumo, os principais impactos são operacionais e também de custos”, lembra Felipe Pimpão Giocondo.

Vai gerar aumento no frete?

O resultado tem sido também no aumento nos preços cobrados pelo transporte de mercadorias entre a Ásia e a Europa devido à necessidade de circunavegar o continente africano. “Com desvio nas rotas e aumento no trânsito, o custo operacional dos armadores tem aumentado, já que são obrigados a repassar esses aumentos. A exemplo do período de pandemia, o impacto deve ser em toda a cadeia”, cita.

Conforme o analista, se os ataques demorarem para cessar, é provável que se perceba um aumento no trânsito das mercadorias, e a rota via Europa pode deixar de ser uma opção, abrindo porta para novas rotas.

O que fazer para ajudar o mercado?

“A Allog vem lidando com muita transparência junto aos seus clientes e parceiros, buscando sempre antecipar novos acontecimentos e prover soluções. Estamos com o time todo empenhado e em contato com todos os stakeholders mundo afora para minimizar os problemas gerados”, pontua Felipe.

>>> Retrospectiva do Comex: as 10 principais notícias de 2023

A empresa também está sendo o mais transparente possível, buscando levar para os clientes todas as informações possíveis. “Nossa sugestão é que procurem organizar com antecedência suas demandas a fim de minimizar surpresas, tanto em relação aos níveis de frete quanto ao tempo de trânsito. A ideia é tentar se antecipar a estes problemas com soluções específicas para cada necessidade”, completa.

 

Ataques no Mar Vermelho

Mais artigos

Textos

Remunerar e reter: você sabe como atrair talentos?

Toda a empresa que busca alcançar o sucesso precisa encontrar formas para se diferenciar e conquistar um espaço único. Nesse processo, a retenção de talentos é fundamental. Certamente, nenhum gestor de RH quer ser obrigado a ter que montar uma nova equipe que reúna competência, formação e habilidades, que seja engajada e motivada toda vez

países inusitados
Novidades

Países inusitados estão na pauta das exportações brasileiras

China, Estados Unidos, Argentina, Holanda e Japão são alguns dos principais compradores dos artigos “made in Brazil”. Mas o país também manda seus produtos para países inusitados como Camboja, Romênia, Finlândia, Ilhas Fiji, Estônia, Madagascar, Sri Lanka e Benin, entre outros. A lista de produtos exportados para estes países inusitados é variada. Nas operações realizadas

Rolar para cima
Previous slide
Next slide