Aumento do movimento de cargas sinaliza retomada do crescimento do setor transportes

Compartilhe esse artigo

Para manter a tendência, Ministério estabelece diretrizes que priorizam investimentos em projetos estratégicos e em estágio avançado.

O primeiro trimestre de 2017 fechou com aumento das movimentações de carga nos setores portuário e ferroviário. De acordo com os dados reunidos pela Secretaria de Política e Integração (SPI) do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, os portos brasileiros tiveram 4% a mais de circulação de produtos, comparado ao mesmo período de 2016, saltando de 233 milhões de toneladas para 242,5 milhões. Nas estradas de ferro, também com base no primeiro trimestre de 2016, o volume de cargas em toneladas foi de 116,6 milhões para 123,5 milhões, conferindo o crescimento de 5,9%.

O período de apuração dos dados marca um momento histórico para a indústria agropecuária brasileira. Entre janeiro e março, foram produzidas cifras recordes da safra de grãos, com aproximadamente 220 milhões de toneladas. Mas, para evitar o que ocorreu em 2013, quando as estradas até o Porto de Santos ficaram totalmente congestionadas devido ao excesso de caminhões, o Governo Federal tem tomado medidas para assegurar que sejam promovidos investimentos em infraestrutura, como a priorização da ampliação do terminal Santista, que já tem 97% da obra concluída. Em apenas um dos terminais de cargas estão sendo investidos R$ 2,7 bilhões.

movimento de cargas

“Estes números reforçam a necessidade de políticas que privilegiem os investimentos em infraestrutura. Um novo ânimo tanto para o setor produtivo, quanto para o de infraestrutura”, disse o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella.

Apesar da situação orçamentária difícil, ele diz que as diretrizes governamentais para o setor priorizaram investimentos em projetos estratégicos e em estágio avançado, para garantir a circulação dos produtos direcionados aos mercados interno e externo.

PERSPECTIVAS – Com a expectativa de exportar 72,9 milhões de toneladas de soja e 24 milhões de toneladas de milho da safra 2016/17, via Arco Norte, o Departamento Nacional de Infraestrutrua de Transportes (DNIT), vinculado ao MT, investirá mais de R$ 2,2 bilhões em obras relativas a este corredor. Serão obras para recuperação e manutenção de rodovias, consideradas vitais para a exportação da safra agrícola, com destaque aos trechos das BRs 158, 163 e 364.

Os recursos serão empregados em 20 projetos que, ao final de todos os processos licitatórios, totalizarão 3.409 quilômetros de rodovias em condições ideais de trafegabilidade. A decisão de priorizar o sistema Arco Norte está vinculada aos incentivos aos produtores que, com a melhoria das vias, será oportunizada a prática do menor custo de frete, promovendo o crescimento do setor produtivo que obterá maior rentabilidade e consequente geração de empregos.

RODOVIAS E AEROVIAS – Embora nos modos rodoviário e aeroviário a comparação trimestral entre os anos 2016 e 2017 aponte decréscimo – 1% relativo ao consumo de óleo diesel nas rodovias e de 1,8% em relação ao transporte de cargas pelas vias aéreas, foi registrada uma tendência de melhoria.

Na análise comparativa do mês de março dos dois anos consecutivos, o resultado demonstra a evolução no segmento aeroportuário, referente às cargas e passageiros, com índices de 1,4% e 3,6%, respectivamente. No transporte rodoviário, a ampliação do uso de óleo diesel foi de 2,1%. Nos aeroportos, também foi constatada a diminuição de passageiros em 2,5%.

Fonte: Secretaria de Aviação Civil

movimento de cargas

Mais artigos

Blog

As maiores goleadas da Copa do Mundo: não foi só com o Brasil

O vexame do Brasil ao ser derrotado por 7 x 1 para a Alemanha, na Copa do Mundo de Futebol de 2014, ainda não foi bem digerido pelos brasileiros, mesmo agora que estamos às portas de mais uma edição da competição. Embora a derrota seja apontada como o maior fiasco do País, ao lado da

Blog

Como exportar cachaça: demanda impulsiona vendas no mercado externo

Você sabe como exportar cachaça para países consumidores da bebida mais icônica do nosso país? A caipirinha, o drink brasileiro mais conhecido no mundo, acaba de ganhar um importante aliado na abertura de novos negócios no mercado externo. A Allog, empresa especializada em logística internacional, estruturou um departamento de bebidas. O objetivo é fornecer suporte

Rolar para cima
Previous slide
Next slide