CNI: Facilitação do comércio exterior ainda é desafio à competitividade das exportações

Compartilhe esse artigo

O comércio exterior brasileiro vive um momento de simplificação dos procedimentos administrativos e legais, com impactos importantes na redução de prazos, custos e previsibilidade das operações de exportação e importação. Mas essa mudança ocorre lentamente por envolver pelo menos 22 órgãos públicos e centenas de processos.

A avaliação faz parte da Agenda Internacional da Indústria 2017, documento elaborado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e que reúne as prioridades do setor para a promoção da inserção internacional das empresas brasileiras.

Entre as prioridades para facilitar e desburocratizar o comércio exterior, a CNI avalia que é necessário realizar um levantamento do universo de encargos, taxas e contribuições arrecadados pelos órgãos anuentes do comércio exterior e que incidem sobre importações e exportações de bens. Atualmente, nem o setor privado e nem o governo sabem exatamente a quantidade de cobranças que existem ou o valor que movimentam.

competitividade das exportações

Tarifa legal

Desde o ano passado, se intensificou a cobrança de uma tarifa para escanear os contêineres por terminais portuários. A CNI já informou ao governo sobre a cobrança ilegal do escaneamento dos contêineres nos portos brasileiros. Mas, até o momento, não obteve resposta.

Em 2016, os portos públicos movimentaram 3,9 milhões de contêineres. E o exportador pagou para escanear, por cada contêiner, entre R$ 200 e R$ 400. O valor depende de terminal para terminal. “A cobrança é ilegal. Mesmo que não fosse, a tarifa é incompatível com o serviço prestado, o que vai contra os compromissos assumidos pelo país no Acordo de Facilitação de Comércio da OMC”, diz o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi.

Pesquisa da CNI mostra que a cobrança da “inspeção não-invasiva dos contêineres” impacta negativamente 78% dos exportadores brasileiros. Entre os 23 setores industriais mais afetados, estão o de alimentos, automotivo, café, calçados, papel e celulose e combustíveis.

Avanços

Apesar das dificuldades, o diretor da CNI explica que há iniciativas bem sucedidas e que têm contribuído para ampliar as exportações. Abijaodi lembra que o Portal Único do Comércio Exterior, liderado pela Receita Federal e a Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério de Indústria e Comércio e Serviços (MDIC), com apoio do setor privado, tem avançado.

Outra iniciativa relevante é a implementação, ainda em curso, do Programa Brasileiro de Operador Econômico Autorizado (OEA), que deve levar à assinatura de acordos de reconhecimento mútuo (ARM) com parceiros comerciais do Brasil.

Prioridades para  2017

Portal Único de Comércio Exterior: Plena implantação do Portal Único de Comércio Exterior em 2017, de acordo com o orçamento, prazo e escopo planejados;

Programa Brasileiro de Operador Econômico Autorizado: Negociação de acordos de reconhecimento mútuo do OEA com países e blocos prioritários, incluindo Estados Unidos, Japão, União Europeia e membros do Mercosul;

Mapeamento de encargos, taxas e contribuições: Levantamento do universo de encargos, taxas e contribuições arrecadados pelos órgãos anuentes do comércio exterior brasileiro que incidem sobre as importações e exportações de bens;

Coleta única de encargos e taxas: Criação de um sistema de coleta única de pagamentos de encargos e taxas aplicadas no comércio exterior brasileiro no âmbito do Portal Único de Comércio Exterior;

CONFAC: Implementação da agenda prioritária do setor empresarial em matéria de facilitação de comércio no Comitê Nacional de Facilitação de Comércio (CONFAC).

(*) Com informações da  CNI

competitividade das exportações

Mais artigos

Ações

Entrevista na Univali: Vamos de Bike?

A bicicleta está sendo adotada como meio de transporte por milhares de brasileiros. Em uma pesquisa realizada pela Abraciclo, no Brasil existem cerca de 70 milhões de bicicletas em uso. Além de ser vantajoso financeiramente, o uso diário da bicicleta ainda ajuda na saúde do ciclista e no meio ambiente. A ONU inclusive elegeu a

Blog

OEA: entenda a importância de trabalhar com uma empresa certificada

Apostar no mercado internacional é um dos passos mais importantes para empresas brasileiras em processo de expansão. Atuar com parceiros que possuam a certificação OEA (Operador Econômico Autorizado) da Receita Federal traz um indicador forte de eficiência nos processos e excelência na prestação de serviços ao mercado. De acordo com Jean Busana, Customs Operations and

Rolar para cima
Previous slide
Next slide