Andreia Oliveira Rossi: liderança feminina na gestão financeira

Compartilhe esse artigo

Criatividade, talento, dedicação, conhecimento e horas de trabalho intenso são alguns dos pilares em comum na trajetória inspiradora das mulheres que trabalham na Allog. Especializada em transporte internacional de cargas, a empresa tem, atualmente, um quadro de 194 colaboradores, dos quais 109 são mulheres, ou seja, 56% da equipe. Destas, 15 ocupam cargos de gestão.

Eu, como a atual gerente administrativo financeiro da companhia, sou uma delas. Também sou uma das representantes femininas no Conselho Consultivo da Allog. Este conselho tem o objetivo de discutir sobre as formas de aumentar a eficiência de processos e a produtividade com estratégias e melhores práticas de gestão. Graduada em Ciências Contábeis, inclusive, sou uma das colaboradoras mais antigas da companhia: iniciei em 2003 com pouca experiência no Comércio Exterior e na área financeira.

Andreia Oliveira Rossi

O dia-a-dia na empresa, os erros e os acertos foram meus grandes professores. Eram muitas horas de trabalho, de contas, de esforço e também de descobertas. Aqui somos instigadas a estar em constante movimento. Na Allog, as mulheres têm voz ativa, somos empoderadas e cobradas, pois acreditam em nosso potencial.

Além de gerenciar as operações financeiras e administrativas da companhia, preciso estar permanentemente atenta ao mercado financeiro, principalmente o cambial. Sou eu também que faço a gestão orçamentária, fluxo de caixa e controladoria, sob uma análise criteriosa do cenário econômico do país.

Mas, sem dúvida, nos 18 anos que atuo na Allog, onde também já fui gerente de TI, a coordenação administrativa e financeira no início da empresa foi o meu principal desafio. Na época, ainda sem formação acadêmica na área, o cargo demandava um enorme trabalho operacional, com menor tempo para análise estratégica. Foi necessário emergir e conhecer profundamente a visão fiscal e contábil sobre o agente de carga, no complexo cenário de comércio exterior.

Atualmente, o que mais atrai a profissional do Comex é a dinâmica constante com os países e a possibilidade de encontrar soluções logísticas que vão gerar o crescimento de exportadores e importadores. Afinal, vivenciamos, cada vez mais, a importância que o setor tem para a economia mundial e para a vida de todos.

>>> Confira também o perfil de Maria Cândida Guedes.

Andreia Oliveira Rossi

Mais artigos

Logística do Vinho: ganhadora da campanha relata experiência em SC

Grande vencedora da campanha Logística do Vinho promovida pela Allog no primeiro semestre, a paulista Gabriela Mariana, da empresa Moinho Comercial e Exportação, teve um final de semana intenso em Santa Catarina. A assistente administrativo viajou para São Joaquim, na Serra Catarinense, para conhecer a Vinícola Pericó. Ela foi acompanhada do namorado Peterson Garcia, tudo

A taça roubada: uma lenda do futebol

Tricampeã do mundo em 1970, a Seleção Brasileira conquistou em definitivo, naquele ano, a Taça Jules Rimet, troféu levantado pelos campeões desde 1930. A cobiçada peça, no entanto, ficou em poder dos brasileiros por exatos 13 anos, pois foi roubado em 1983 no Rio de Janeiro. Seu nome era uma homenagem ao ex-presidente da FIFA,

Rolar para cima
Previous
Next